2020: por que empresas devem investir em relógio ponto

Ano novo, vida nova. Como diz o velho ditado, a virada do ano é o momento propício para rever projetos, efetuar mudanças, gerar soluções para a vida das pessoas e, também, para a saúde administrativa e financeira das empresas. Assim, investir em ações positivas e que melhorem processos ou rotinas é uma escolha inteligente que trará benefícios em um curto espaço de tempo. Além disso, uma das melhores opções para as empresas que ainda não aderiram ao funcionamento automatizado é investir em relógio de ponto eletrônico, estimulando equipes de colaboradores a implementarem métodos mais tecnológicos, precisos e inovadores no seu dia a dia em tempo real

Para os gestores de RH, o controle de entradas e saídas de funcionários não é tarefa fácil, ainda mais em empresas em que o quadro de colaboradores é grande. Afinal, atualmente, é muito fácil uma empresa crescer e contratar mais funcionários ao longo dos processos, aumentando, também, o fluxo de trabalho do setor de recursos humanos. Em vista disso, o controle de ponto de cada funcionário pode ser efetuado de maneira mais fácil e precisa, com o uso de equipamentos próprios, como relógio ponto. 

O maior benefício que as empresas e os colaboradores podem ter ao utilizar o aparelho é referente à precisão das informações ali cadastradas que, manualmente, estão sujeitas a erros.

2020 já está aí, por isso, é bom aproveitar o momento de mudança para achar a melhor solução para a sua rotina. 

Investindo em relógio ponto

Bom, agora que você já está certo em realizar as mudanças necessárias para a sua empresa, é só escolher o melhor lugar para comprar o relógio ponto. Com mais de 30 anos de experiência, a KL Quartz atende empresas de diferentes portes e segmentos em todo o país, oferecendo soluções completas como equipamentos, softwares, suporte e manutenção nas áreas de Controle de ponto e acesso. 

 

Venha nos visitar! Entre em contato com nossos consultores e descubra os melhores equipamentos para seu negócio.

 

Controle de acesso e o uso da tecnologia nas empresas

Atualmente, inovação e tecnologia são partes essenciais para as rotinas das empresas. Seja no Brasil ou em outros países, empresas que não se atualizam automatizando processos tendem a ficar de fora do mercado. Além disso, as novas soluções são necessárias para transformar o dia a dia das empresas e, para que as mudanças tecnológicas se tornem acessíveis, é recomendado criar novos formatos e soluções ao observar demandas ociosas, como o uso de controles de acessos em locais que ainda não aderiram, por exemplo.

Inovar não é imprescindível para uma empresa atuar, porém, garante um lugar de destaque e crescimento em meio à concorrência. E reconhecer isso é fundamental para escalar a competitividade que existe em determinados meios.

Em muitas situações, para mudar é preciso rever os valores, bem como a cultura organizacional da empresa. Então, muitas vezes, para ter uma empresa voltada para a inovação é preciso rever e mudar de acordo com as mudanças do contexto em que ela esteja inserida. Assim, basta seguir e prever as tendências mercadológicas que, a cada dia, mudam e ditam novos processos.

Há alguns anos o controle de acesso mediante tecnologia vem crescendo dentro das organizações e, no quesito inovação em segurança, esse crescimento não poderia ser diferente. Hoje, muitas empresas investem tempo e dinheiro em implementações tecnológicas, como relógio ponto, catracas de acesso e softwares de segurança e, tudo isso, para melhorar a gestão e o funcionamento delas e para tornar a rotina de trabalho dos colaboradores mais dinâmica e com menos refação de tarefas, também.

Controle de Acesso

Cada vez mais, o controle de acesso é uma tendência presente em incorporações, residências e diferentes tipos de locais e ambientes. Ele funciona mediante equipamentos que liberam ou bloqueiam a abertura de portas e portões, catracas, cancelas e, ainda, torniquetes para grandes locais como clubes e ginásios.

Estes sistemas oferecem maior segurança e permitem um ótimo controle de acesso a determinados locais.

Investir em tecnologia e inovação é essencial. Confira, aqui, nossa linha completa de Controle de Acesso. Temos a melhor solução para a sua empresa.

Recesso de fim de ano: como fica a segurança da sua empresa

Dezembro é o último mês do ano e, também, é um momento de tranquilidade e preocupação ao mesmo tempo. Tranquilidade, por se tratar do período de natal e ano novo, época de viagens, confraternizações em família e, para empresas, projetos concluídos e planejamento de novos negócios para a entrada do próximo ano; já, preocupação, por ser o período com menor movimento dentro das organizações, portanto, momento de se precaver com a segurança da mesma.

Geralmente, neste período, as empresas aproveitam para concentrar férias coletivas ou para estipular o recesso de fim de ano em conjunto com seu quadro de funcionários, fazendo com que as instalações físicas funcionem com grupos reduzidos de colaboradores e, muitas vezes, sem atendimento ao público. De outra maneira, em outras situações, fechem suas portas em período determinado. E é neste sentido que os empresários devem estar atentos com a segurança das empresas, investindo em controles de acesso, catracas, equipes de segurança, reduzindo e controlando a entrada de pessoas através da biometria.

Em se tratando de recesso, algumas empresas procuram revezar nos dois períodos, liberando parte do quadro de funcionários na semana do Natal e parte na do dia 31. Assim elas não fecham e os colaboradores podem viajar para rever familiares ou descansar no período.

Infelizmente, muitos casos de assaltos ocorrem neste período, justamente pelos espaços estarem vazios, fechados ou com menos fluxo de trabalhadores circulando em suas imediações.Assim, uma  boa alternativa é dedicar algum investimento em equipamentos de segurança, como sistemas, controles de acesso e catracas eletrônicas para locais maiores.

Controles de Acesso

Os controladores de acesso funcionam como uma chave para a entrada dos funcionários nas dependências da empresa. É um aparelho que permite a identificação do usuário mediante impressão digital, crachá ou senha para seu acesso em determinada área e, geralmente, fica na porta de entrada da empresa. Além do mais, ao investir no aparelho, a empresa tem a segurança de que apenas funcionários cadastrados biometricamente terão acesso ao local. Veja nosso modelo, aqui.

Catracas Eletrônicas

As catracas eletrônicas são utilizadas em empresas com grande número de funcionários e, geralmente, ficam nos acessos principais a elas. Servem para selecionar o público e funcionam mediante cartão ou crachá. Veja nosso modelo, aqui.

Sistema de Acesso dFlow

É uma linha de controle com portas, onde elas ficam originalmente abertas e seu fechamento ocorre apenas quando uma pessoa não autorizada tenta efetuar o acesso.

Com sensores de alta tecnologia que permitem, além do bloqueio simples de alguém não autorizado, detectar quando mais de uma pessoa tenta passar pela catraca ou entrar enquanto outra está saindo. Altamente tecnológico, o sistema funciona como uma catraca e fica, geralmente, no principal acesso à empresa.

Com essas alternativas de acesso, os empresários e gestores podem ter mais tranquilidade quanto à segurança da empresa e de seus colaboradores, também.

É dezembro, como calcular as horas extras dos funcionários

Com o final do ano, as empresas focam seus esforços em fechar as contas, de acordo com o planejamento do novo ano que vai começar, ainda em dezembro. Com isso, tanto os custos com fornecedores e terceiros, quanto os custos fixos de funcionários, como férias, décimo terceiro, horas extras, ou do próprio funcionamento da empresa são previstos pelos gestores financeiros para serem quitados ao encerrar o ano. Em vista disso, os cálculos referentes aos funcionários devem ser feitos mediante normas e acordos sindicais de cada categoria. 

Contudo, muitas vezes os colaboradores acabam ultrapassando os horários previstos na jornada de trabalho para cobrir folga ou falta de colegas, até mesmo para terminar processos de rotina. E, mediante ajuste feito entre empresa e funcionário, as horas a mais podem ser previstas como banco de horas ou como horas extras trabalhadas, por isso, é necessário acordar anteriormente se as horas serão pagas ou disponibilizadas para folgas futuras.

Neste contexto, se for ajustado o pagamento, conforme a legislação trabalhista somada aos acordos sindicais de cada categoria, bem como aos acordos e convenções coletivas, as horas extras podem ser pagas ao empregado ao final do período trabalhado ou, ainda, acumuladas em formato de banco de horas para serem gozadas posteriormente, de acordo com o estabelecido legalmente e internamente, quando necessário.

Qualquer que seja a situação acordada, deverá ser positiva tanto para os funcionários quanto para as empresas, levando sempre em consideração as diretrizes ajustadas pelos órgãos e entidades sindicais, gestores de RH e funcionários. 

Para realizar o cálculo da hora extra

Assim, o cálculo das horas extras é complexo e deve ser realizado com precisão por profissionais especializados na área. Por isso, a melhor solução é ter um relógio de ponto para auxiliar no processo. Com o aparelho, é possível cadastrar o horário de trabalho de cada funcionário com precisão. Ao final do período, o sistema calcula a carga horária, e o departamento de RH já recebe todas as informações sobre horas cadastradas a mais ou devidas. Além do mais, em grandes empresas, esse processo facilita a rotina dos gestores que deverão realizar a contagem individualmente, tornando-se imprescindível fazer o cálculo para cada colaborador.

 

Como calcular o valor da hora extra em domingos e feriados

O cálculo é feito da seguinte forma: ao valor de cada hora trabalhada, soma-se 100% do mesmo, e multiplica pelo número de horas extras realizadas aos domingos e feriados no mês. E para saber o valor da hora trabalhada, é preciso dividir o salário pelas horas trabalhadas no mês.

 

Como implantar uma política de ponto

O primeiro passo que uma empresa pode dar para ter total controle sobre a jornada de trabalho de seus colaboradores é implementar uma política de controle de ponto que dê acesso à informações estratégicas, como produtividade e redução de custos com possíveis horas extras. Atualmente, existem duas formas de fazer este controle: utilizando o tradicional livro ponto, preenchido manualmente pelo funcionário e analisado posteriormente pelo RH; ou o ponto eletrônico, mais moderno e atual, onde o funcionário registra automaticamente seus horários podendo ser analisado em tempo real pelo RH.

Para estruturar o sistema de controle dos funcionários é preciso ter uma boa estratégia. E uma forma eficiente é investir em tecnologia implementando o relógio ponto. Nele, o registro pode ser feito pela identificação biométrica, crachá de proximidade, crachá código de barras ou digitação de senha no display.

Contudo, mesmo se uma política de ponto ainda não faz parte da cultura da empresa, fazer investimento em livro ponto certamente não é a opção mais atraente pois, em um mundo tecnológico que muda constantemente, implementar processos obsoletos é trabalhar e investir dobrado, já que, no futuro, certamente o uso do ponto eletrônico poderá ser obrigatório e regulamentado.

Porém, no dia a dia, muitas empresas ainda estão utilizando o livro ponto. No entanto, esse controle é ultrapassado e não produz a eficácia que um sistema de ponto eletrônico tem. Atualmente, cada vez mais, as empresas devem propor estratégias que facilitem tanto a rotina dos colaboradores quanto os processos do RH da empresa. Além do mais, o uso de papel já é algo ultrapassado, ainda mais em empresas que têm como valor agir de a favor do meio, criando ações que reduzam o uso de papel e outras iniciativas.

Mesmo assim, independente do ponto ser eletrônico ou analógico, para investir em uma política de ponto, é essencial avaliar a cultura organizacional. Em alguns casos, por exemplo, alguns funcionários têm o hábito de trabalhar parte do tempo em home-office, outros viajam a trabalho e a empresa precisa prever como será programado um banco de horas ou pagas as horas extras ou, em caso de faltas, qual política deverá seguir.

Além disso, para que a nova política de ponto traga benefícios à empresa em pouco tempo, é fundamental envolver os gestores líderes no processo de execução, liderando ações e informando aos colaboradores os novos formatos de acesso.

Com todas essas informações, podemos ver que investir em tecnologia pode trazer inúmeros benefícios às empresas. Nesse caso, o ponto eletrônico é a opção mais eficaz se a intenção é reduzir processos de acordo com os valores da empresa e com a evolução do mercado.


Veja como funcionam nossos produtos. Aqui na KL Quartz temos a solução para a sua empresa com a melhor tecnologia do mercado.

Controle de Acesso em Escritórios

Com o aumento da violência nos grandes centros, prezar pela segurança se tornou prática indispensável no dia a dia das pessoas. Não só as residências, mas organizações privadas, repartições públicas, clubes e colégios também estão investindo seus recursos para oferecer aos seus clientes e colaboradores maior segurança em tempo real. Com isso, o controle de acesso ganha importância no mercado de segurança que está gradativamente mais tecnológico e inovador.

Presente em diversos ambientes, a administração do controle de acesso pode ser realizada por simples equipamentos que liberam ou bloqueiam a abertura de portas e portões.

Nos locais menores como pequenos escritórios, a título de exemplo, alguns modelos bastante utilizados são os Controladores de Acesso IDFLEX, IDFLEX IP65 ou  IDACESS / IDFIT, com design moderno, funcionamento intuitivo e versões que identificam o usuário por biometria, senha e/ou crachá de proximidade. Para que o acesso seja liberado basta que as pessoas se identifiquem nos locais sinalizados, quando visitantes, ou sejam cadastrados pela empresa contratante para ter livre acesso, quando colaboradores.

Em algum momento da vida, você já deve ter ia a shows ou espetáculos em grandes centros de eventos, a encontros corporativos e atividades da empresa integradas a outras organizações em centros de eventos ou torcer para seu time do coração em grandes ginásios. Então, se isso aconteceu, você já teve experiência com algum tipo de Controle de Acesso. Pois em locais com maior fluxo de visitantes, geralmente, a segurança é controlada através de catracas ou de instalações mais complexas como cancelas, por exemplo, para veículos.

Vantagens para os Escritórios

Além de permitir o acesso de pessoas dentro dos escritórios, o sistema de controle e segurança da informação também facilita a localização de pessoas internamente, permite controlar entrada e saída em reuniões, proteção ao patrimônio intelectual e tecnológico da empresa, ainda oferecendo segurança e tranquilidade ao ambiente de trabalho.

Se você quer investir na segurança da sua empresa, A KL Quartz tem a solução que perfeita. Confira nossa linha completa de Controle de Acesso.

Tecnologia e Gestão de RH: conheça ferramentas para inovar

A inovação na área de recursos humanos tem se mostrado essencial quando o assunto é recrutamento e seleção de novos talentos para empresas que, diariamente, se reciclam investindo em automatização e novas tecnologias para contratar os melhores talentos de cada área. 

Além disso, o RH é um dos setores mais estratégicos, antevendo o crescimento da organização mediante capital humano. Desse modo, está sempre lançando-se em desafios com metodologias disruptivas que melhoram o recrutamento e visam o crescimento da empresa.

Para que a inovação no RH surta efeito, todos os anos surgem as tendências, novidades do mercado, cuja implementação deve ser favorável criando um antagonismo diferencial sobre os concorrentes, em um primeiro momento, até que se torne fundamental para a sobrevivência dos setores de RH no mercado.

 

Ferramentas de inovação

Em um meio de trabalho tão concorrido, novas ferramentas para gestão de pessoas são bem-vindas quando uma empresa busca inovação, tecnologia e retenção de talentos. 

Veja algumas, aqui.

 

AI + Tecnologia

Uma das principais tendências é o uso da inteligência artificial (AI) mediante tecnologia. As duas andam juntas. A AI é uma inteligência similar à humana que se manifesta por intermédio de mecanismos ou softwares imitando ações humanas de forma rápida e eficaz. A diferença é que com o auxílio da inteligência artificial não existem erros, os dados são concretizados de forma mais rápida e em maior volume. 

Como exemplo, podemos citar a biometria, com reconhecimento da palma da mão, das digitais ou pela íris dos olhos. Outro exemplo pode ser o uso de algoritmos para resolver problemas e criar novas soluções. 

 

Automação

A automação de processos também é essencial para a eficiência das técnicas de gestão dos profissionais de RH. Nela, os procedimentos burocráticos como análise de cálculos, envio e arquivamento de documentos ou outros, ganham agilidade diminuindo erros, integrando dados com segurança e minimizando a refação de trabalho. 

 

Prática x Teoria

Muito importante na hora de selecionar os candidatos é analisar formação e diploma. No entanto, cada vez mais ganha peso a prática profissional e o comportamento do candidato mediante a cultura organizacional das empresas. 

De nada adianta o candidato ter um ou mais diplomas, MBA em universidades consagradas ou inúmeros cursos se ele não põe em prática seu conhecimento, ou ainda, tem problemas em seguir diretrizes e se relacionar com equipes multidisciplinares. Por isso, os profissionais de RH devem ficar atentos ao comportamento na hora da entrevista. 

 

Competências, especialidades e liderança

Nas empresas figuram diversos tipos de profissionais. Cada um à sua maneira. Muitos se destacam ao longo do tempo e é neles que os gestores devem mirar suas forças. 

O objetivo é especializar os funcionários que melhor se enquadram aos valores da empresa, ajustando competências e transformando-os em grandes talentos. 

 

Gamificação e Treinamentos

São treinamentos onde todos os colaboradores devem participar. Similar a jogos, é desenvolvido com o intuito de engajar pessoas na solução de problemas.

Seu principal objetivo é incentivar comportamentos e motivar os profissionais a desenvolverem diferentes perfis, como empreendedorismo, por exemplo, alcançando resultados para a empresa.

 

Flexibilidades: horário e lugar

A grande tendência é flexibilizar o meio de trabalho. Seja no horário ou no lugar, atualmente os colaboradores têm flexibilidade de trabalhar em qualquer lugar, desde que tenham acesso à internet para fazer trabalhos e combinar processos com seus colegas. Existem metas, pedidos de trabalho e squads (equipes multidisciplinares), com um objetivo comum e data para entrega final. 

 

Essas ferramentas de inovação afetam não só os processos de RH, mas, também, a cultura organizacional das empresas. Uma vez que ao realizar novos processos os colaboradores participam diretamente, implementando tarefas e realizando novos procedimentos mais modernos e eficientes.

 

Como avaliar a cultura organizacional

A cultura de uma empresa está alinhada aos seus interesses e valores unidos ao grupo de colaboradores, gerando satisfação e engajamento dos mesmos. A cultura organizacional é, em outras palavras, a identidade da empresa e o que ela representa no mundo corporativo.

Ela é moldada conforme a essência dos fundadores e se estabelece junto aos que fazem parte dela ao longo dos anos e no dia a dia. Verdade seja dita, a cultura organizacional é a representação das normas não escritas que irão orientar e direcionar as ações e o comportamento dos seus colaboradores no cotidiano da empresa, mirando os objetivos organizacionais.

Portanto, para que haja melhorias e soluções para fatores que possam causar a insatisfação dos colaboradores em seus ambientes internos, é necessário avaliar métodos e sugerir mudanças que sejam acordadas entre empresa e colaborador, para que o nível de satisfação e, principalmente, de comprometimento do quadro de pessoal crie raízes aumentando o engajamento em vias de fato.

 

Importantes aspectos a serem avaliados

 

Em vista disso, para avaliar a cultura organizacional, é importante que os diretores/gestores foquem em alguns aspectos.

Investigue os pontos positivos, negativos e os pontos neutros ou desnecessários que fazem parte da empresa: É considerável posicionar aspectos que, por excelência, sejam importantes para os donos da empresa, porém, devem ser pertinentes para o bom funcionamento da mesma. Além disso, desenvolva modelos dos comportamentos e ações desejadas e ponha em prática por um período de teste. É bom tanto para a empresa quanto para os colaboradores se adaptarem e desenvolverem juntos às ações.

Invista em líderes: O melhor investimento que os empresários devem fazer é incentivar os gestores. Isso se dá através de cursos e capacitações estratégicas. O retorno será visto dentro da própria empresa e os líderes farão o engajamento das equipes, focando sempre no resultado positivo para a empresa.

Identifique os valores dos colaboradores: questione, pergunte e perceba o que fazem e porque, isso fará com que o gestor perceba quais colaboradores estão alinhados com os objetivos e valores organizacionais e quais não se encaixam na cultura da empresa.

Analise o mercado e a concorrência: Saiba o que as empresas fazem para reter os melhores profissionais de cada área. Uma das melhores opções para a análise é acompanhar a rede profissional Linkedin.   

É essencial gerar informações sobre o seu público interno: Para saber mais sobre eles, elabore questionários, faça testes para entender a percepção e recepção dos valores da empresa que eles têm.

Descentralizar ações dá liberdade para os colaboradores reconhecerem seus pares pelas afinidades relacionados à cultura da organização: É normal que pequenos grupos se formem ao longo do tempo contemplando aspectos positivos organizacionais e propondo soluções para o que não está bem qualificado.  

Com todos esses aspectos sendo levados em consideração dentro da empresa, a cultura pode sofrer alterações de tempo em tempo. Contudo, para que seus valores sejam objetivos e transitáveis em toda a organização, gerando soluções mais ágeis e sistematizando toda a estrutura, é essencial que as adaptações acompanhem as tendências no mercado.

 

Conheça empresas que implantaram Relógio Ponto

Um dos formatos utilizados pelas empresas para que funcionários registrem a jornada de trabalho com maior segurança e sem adulteração é o sistema de ponto utilizando relógio ponto. Em tempo real, empresas que ainda utilizam antigos formatos para marcação do ponto já estão se adaptando ao mercado de tecnologia, modificando processos de registro, buscando mais praticidade e otimização na hora de controlar a jornada, fechar os horários de entrada e saída, horas trabalhadas, horas extras e possíveis abstenções. 

Empresas de sucesso como O Boticário, Supper Rissul, Sodexo, Lojas Pompéia, Nex Group e outras já utilizam esse sistema e, aparentemente, o nível de satisfação desses clientes com a qualidade dos produtos e serviços prestados é elevado. Veja, a seguir, alguns depoimentos: 

 

“Somos franqueados de algumas marcas do Grupo O Boticário, nas cidades de Porto Alegre e Canoas, como são diversos locais de trabalho, um sistema de ponto eletrônico, completo e seguro nos permite gerir de forma mais tranquila e confiante nossas lojas. Fizemos a opção da KL Quartz por indicação dos serviços e hoje podemos dizer que estamos satisfeitos, com equipamentos e com os serviços oferecidos. A decisão de compra foi bastante planejada e negociada, afinal tínhamos uma demanda de grande quantidade de equipamentos, que aos poucos foram sendo implantados e atendendo nossa necessidade.”

Paula Spilborghs

Vissomz e QDBViss – Franqueados O Boticário e Quem Disse Berenice? 

“Como nosso fornecedor homologado de Relógios de Ponto e Controle de Acesso, a KL Quartz estruturou todo o processo de logística, treinamento e suporte técnico para atendimentos às mais de 2.000 unidades da SODEXO em todo Brasil. A KL Quartz compreendeu a nossa cultura e dinâmica, hoje já são mais de 5 anos de parceria, com foco na excelência de atendimento.”

Cássio Stein

Gerente de Compras – SODEXO

 

Nas empresas que já utilizam o produto, todo o controle de ponto é realizado com os relógios ponto que podem ser de diversos tipos, como ponto cartográfico, eletrônico e até utilizando digitais. Através do registro da impressão digital dos colaboradores para o ponto biométrico eletrônico, os setores de Recursos Humanostêm maior autonomia, demandando a responsabilidade de controle total aos próprios funcionários e ficando a cargo deles a gestão de horários de entrada e saída da empresa. É uma segurança que a empresa tem mediante possíveis fraudes.

 Empresas com poucos funcionários também podem usar Relógio Ponto?

 

Não são apenas grandes grupos que podem aderir a tecnologia de controle de ponto. Empresas menores, com poucos funcionários, também utilizam relógios ponto e estão cada vez mais mudando a forma de trabalho, automatizando processos e revendo sistemas mais precisos. 

Com o passar do tempo, todas as empresas deverão se adaptar ao relógio ponto. Além disso, a mudança já vem ocorrendo e o sistema de controle está facilitando a obtenção do registro da jornada de trabalho, auxiliando o desenvolvimento de futuras escalas de trabalho, deixando os gestores de RH mais seguros.  

Como funciona o banco de horas?

A rotina diária do funcionário dentro de uma empresa é contabilizada, de modo geral,  mediante as horas diárias de trabalho. Normalmente, são contabilizadas 8 horas mais um período de intervalo para almoço. Algumas profissões também podem ter a jornada de trabalho reduzida para 6h, conforme acordos coletivos, diretrizes da empresa e regras da própria profissão. E, se o tempo de trabalho ultrapassar o horário acordado com horas excedentes trabalhadas, as horas devem ser contabilizadas como hora extra ou banco de horas. 

Caso a empresa opte por não remunerar as horas extras trabalhadas, não podendo ultrapassar o limite máximo de 10h diárias, a negociação deve ser feita mediante banco de horas, ou seja, mediante um acordo de compensação, individual, entre empregado e empregador, em que as horas excedentes passam a fazer parte de um banco de horas acessível ao funcionário. Antigamente, com a antiga legislação, o acordo referente ao banco de horas era estipulado mediante acordos coletivos com sindicatos de cada profissão. No acordo individual, as empresas têm autonomia para negociar os pagamentos e as folgas e os funcionários devem ser informados a respeito dessas regras assim que iniciam seu contrato de trabalho.

 

Hora extra ou banco de horas: qual a melhor opção?

Em situações em que as diretrizes da empresa se baseiam em não remunerar a hora extra, ofertando o excedente em forma de tempo, o banco de horas é utilizado em um prazo máximo de um ano e esse sistema de controle deve ser feito pelo controle de ponto de cada empresa. Já em situações em que a empresa opte pelo pagamento de horas extras, pela legislação vigente, cada hora a mais trabalhada valerá o valor da hora normal mais 50% desse valor. 

Tanto para o funcionário quanto para a empresa, as duas formas podem ser atrativas. Em caso de escolha, vai do que é melhor para cada um. Basta que as empresas definam, também, a melhor forma de oferta. E é bom lembrar que, a compensação de horas remunerada como hora extra e o excedente das horas transformado em banco de horas é uma forma de beneficiar os colaboradores, conforme a lei.